segunda-feira, 18 de setembro de 2017

Valerian e a Cidade dos Mil Planetas

O diretor Luc Besson literalmente torrou 177 milhões de dólares para levar ao cinema essa adaptação dos quadrinhos franceses "Valerian and Laureline" de Jean-Claude Mézières e Pierre Christin. Poucas pessoas conhecem a obra original que hoje em dia chama mais a atenção pelo fato de George Lucas ter se inspirado justamente nela para criar o seu universo próprio de "Star Wars". As semelhanças são muitas. Certos personagens são praticamente os mesmos dos filmes de Lucas, com pequenas variações. A questão porém é que como se trata de quadrinhos dos anos 60 e 70, poucos jovens a conhecem. Assim não foram ao cinema conferir esse filme. Com uma bilheteria de pouco mais de 40 milhões de dólares a fita já é considerada um dos grandes fracassos comerciais do ano. Até o diretor do estúdio que a produziu foi demitido essa semana. O prejuízo passa dos 100 milhões de dólares, o que deve enterrar futuras adaptações desse universo. E pensar que esse filme deveria ser o primeiro de uma longa franquia...

Apesar disso, do filme ter afundado nas bilheterias, devo dizer que gostei do resultado. Artisticamente tudo é muito bem cuidado e desenvolvido. O roteiro é bom. Partindo da premissa que "Valerian and Laureline" tem centenas de edições, com uma longa e complexa saga nos quadrinhos, o roteiro escrito pelo próprio diretor Luc Besson foi muito bem adaptado. Ele consegue apresentar todos os personagens com êxito para o espectador que nunca leu na vida uma HQ dessa saga. Além disso imprime um ritmo muito bom e eficiente no próprio enredo. Tampouco nega as origens juvenis do material original. E Besson não foi certeiro apenas no roteiro que escreveu. Ele acertou também na direção, na escolha do design de produção e nos efeitos digitais. É inegavelmente um filme muito bem realizado, que não vai decepcionar aos que gostam desse tipo de ficção de aventuras, com tudo o que podem esperar desse tipo de filme. Há todo um universo singular, com criaturas fantásticas e muita ação. Como background narrativo há ainda uma boa trama envolvendo uma raça de seres que tiveram seu planeta natal destruído. Tudo de muito bom gosto. Pena que o público de certa maneira ignorou. Pelo visto o cinema europeu ainda precisa aprender muito com o cinema americano em termos de marketing e promoção. No final das contas foi justamente isso que faltou para que essa produção milionária tivesse o sucesso que merecia.

Valerian e a Cidade dos Mil Planetas (Valerian and the City of a Thousand Planets, França, Alemanha, Inglaterra, 2017) Direção: Luc Besson / Roteiro: Luc Besson, baseado nos quadrinhos "Valerian and Laureline" de Pierre Christin e Jean-Claude Mézières  / Elenco: Dane DeHaan, Cara Delevingne, Clive Owen, Rihanna, Ethan Hawke, Rutger Hauer, Herbie Hancock / Sinopse: Em um futuro distante dois agentes, o Major Valerian (Dane DeHaan) e a sargento Laureline (Cara Delevingne) são enviados para recuperar um artefato importante que está nas mãos de um contrabandista infame. O objeto tem ligação com a destruição de um planeta de uma civilização pacífica e desenvolvida, cujos últimos descendentes farão de tudo para também recuperar esse artefato.

Pablo Aluísio.

domingo, 17 de setembro de 2017

Dunkirk (2017)

Vinte e seis de maio de 1940. Dezesseis dias após conquistar a França, a temida Wehrmatch de Hitler e sua devastadora tática de guerra relâmpago (blitzkrieg) comandadas pelas divisões panzer dos generais Rommel e Guderian, encurralam na praia de Dunquerque - no Canal da Mancha - mais de 400 mil soldados britânicos, belgas e franceses. Durante cinco dias angustiantes, essa multidão de soldados tenta fugir desesperadamente da costa da França para a costa inglesa, do outro lado do Canal da Mancha - mais precisamente para a cidade de Dover, de onde parte todo o comando de fuga dos aliados. Através da lente do diretor inglês Christopher Nolan, a Operação Dínamo é contada sob três óticas diferentes: a dos jovens soldados na praia...a batalha dos caças no céu...e a mobilização dos civis pelas águas do Canal para socorrer os soldados. Nolan que durante toda a sua vida flertou com a ficção e com efeitos especiais de ponta, desta vez inovou e resolveu voltar ao velho e romântico cinema, ou seja: abriu mão de utilizar efeitos especiais arrebatadores que sempre o acompanharam em suas obras, aproximando-se assim de um maior realismo possível. O resultado desta combinação foi logo sentida pelo público: Imersão quase que total nas cenas e um frisson sensorial poucas vezes visto num filme de guerra, graças a tecnologia Imax de 70mm,

Sendo bombardeados de forma constante na praia pelos caças Messerschmitt, os aliados já sentiam o cheiro iminente de um massacre histórico. Mas o que parecia uma carnificina nazista e que fatalmente mudaria os rumos da guerra, de repente parou. Isso mesmo! Hitler - com a faca e o queijo nas mãos - ordenou um cessar fogo tão ilógico quanto curioso. Os famosos tanques da divisões panzer desligaram os motores perto da praia de Dunquerque, deixando o resto da batalha para a infantaria e para a força aérea (Luftwaff). Nunca foi tão fácil exterminar 400 mil soldados aliados que como baratas tontas não sabiam para onde correr, se para o molhe, onde navios ingleses já se encontravam abarrotados de jovens colegas de farda desesperançosos, ou pela praia sendo abatidos da forma mais impiedosa possível. Diante de tanta facilidade, o "Fuhrer" ainda tinha como trunfo o fato dos americanos ainda estarem gozando um período de paz, o período pré - Pearl Harbor. Ou seja: a vitória nazista nunca esteve tão perto. Alguns historiadores discutem até hoje o motivo de Hitler ter parado os ataques, mesmo sem a concordância de seus principais generais. A teoria mais lógica é que Hitler não queria a Inglaterra como inimiga, pelo contrário, o comandante alemão queria, no fundo, unir forças com Churchill para juntos governarem a Europa. Hitler tinha um respeito histórico pelos inglêses. Mas Churchill abominava qualquer aproximação ou qualquer negociação com o "Fuhrer".

Com o quase cessar fogo dos alemães e sob o comando do vice-almirante Bertram Ramsay que da cidade de Dover (Inglaterra) coordenava todas as operações de evacuação, a Segunda Guerra experimentou, sob o codinome Operação Dínamo, o maior resgate de soldados da história de todas as guerras. Sobre essa fuga épica, Churchill, mais tarde, soltou mais uma de suas famosas frases que marcaram o conflito: - "Um milagre de salvamento, alcançado pelo valor, pela perseverança, pela perfeita disciplina, pelo serviço impecável, pelos recursos, pela habilidade, pela fidelidade inconquistável, é óbvio para todos nós". Mas Churchill esqueceu do mais importante: se Hitler não tivesse parado os ataques, o exército inglês, quase em sua totalidade, teria sido dizimado de forma impiedosa em Dunquerque. Com a França conquistada e dominada e a Inglaterra em frangalhos e sem exército, a Europa estaria de joelhos aos pés da Alemanha nazista, e com certeza não haveria o Dia D.

Nolan realizou uma obra-prima, mesmo com poucos diálogos e sem desenvolvimento importante de personagens, o diretor inglês que ressuscitou o Homem-Morcego em 2005, acertou na mosca quando descartou a glamourização de personagens, mas principalmente o aparecimento de herois. - É um filme sem vencedores ou perdedores, é um filme de fuga, onde o medo aterrorizante e a luta pela sobrevivência tornam-se a "fratura exposta" do longa. Nolan é um exímio diretor de grandes multidões e de eventos que acontecem simultaneamente, e Dunkirk transforma-se no seu maior apogeu cinematográfico. A sacada de estabelecer os três elementos - água, ar e terra, como os pilares da narrativa do filme e entregando a cada um desses elementos atores de primeira linha, como: Kenneth Branagh (terra) - Tom Hardy (ar) e Mark Rylance (água) - foi coisa de gênio. Uma salva de palmas também para o mestre das trilhas sonoras de dezenas de clássicos, Hans Zimmer, que recheia o longa com seus acordes retumbantes, além de um Bravo! para o cantor e compositor, Harry Styles, da banda inglesa One Direction que dá um pequeno show de interpretação... Filme com grandes chances de abocanhar, em março, uma das muitas estatuetas douradas do Oscar.

Telmo Vilela Jr.

sábado, 16 de setembro de 2017

Diablo

Após o fim da guerra civil o soldado Jackson (Scott Eastwood) finalmente retorna para casa. Ele resolve levar em frente o rancho de sua família. O problema é que o lugar é atacado por uma quadrilha de bandoleiros mexicanos que levam sua jovem esposa como refém. Desesperado e com sede de vingança Jackson resolve seguir o bando, enfrentando os perigos e desafios de uma natureza hostil e selvagem. Pois é, a premissa é até muito interessante. Apesar desse western ser estrelado pelo filho de Clint Eastwood (o que supostamente daria maior crédito a ele, já que Eastwood pai poderia muito bem opinar sobre a produção) o fato é que não há nada demais nesse faroeste. O roteiro é sem maiores novidades, reaproveitando o tema da busca obsessiva pela mulher raptada por bandoleiros mexicanos. O personagem interpretado por Scott Eastwood assim parte pelo oeste afora para salvar sua esposa, numa jornada ao molde tradicional, com toques de obsessão. Em sua jornada encontra ladrões, assassinos e nativos que o salvam da morte certa. O filho de Clint Eastwood, Scott Eastwood, procura seguir os passos de seu pai, um dos maiores ícones do western de todos os tempos.

Em termos de elenco porém quem se destaca mesmo é o ator Walton Goggins. A primeira vez que vi Walton em cena foi na série Justified onde interpretava o criminoso alucinado Boyd Crowder. Depois ele foi ganhando cada vez mais papéis interessantes por causa de seu talento, até se tornar mais conhecido do público de cinema no filme "Os Oito Odiados" de Tarantino como o Xerife Chris Mannix. Ele é aquele tipo de profissional que realmente rouba as cenas em que atua. Pior para Scott Eastwood que embora seja muito parecido com seu pai quando jovem, não tem o mesmo talento para atuação. Além disso outro ponto que acaba se sobressaindo nessa produção é a linda fotografia. O diretor Lawrence Roeck resolveu filmar algumas tomadas de cima, nas alturas, com o uso de drones. Isso deu uma perspectiva bonita para as cenas, aproveitando toda a beleza natural daquelas florestas nevadas de pinheiros da região de Alberta, Canadá, onde foram filmadas. Em certos aspectos me lembrou de filmes de faroeste do próprio Clint Eastwood nos anos 70 como "O Estranho Sem Nome". Tecnicamente bonito (temos que admitir), contando com a boa atuação de Walton Goggins, o filme só peca mesmo pelo roteiro, sem novidades e derivativo demais. Se tivessem caprichado um pouco mais nesse aspecto as coisas certamente teria se saído melhor do que vemos. Do jeito que está é apenas um western ok, sem muita originalidade.

Diablo (Estados Unidos, Canadá, 2015) Estúdio: Orion Pictures / Direção: Lawrence Roeck / Roteiro: Carlos De Los Rios, Lawrence Roeck / Elenco: Scott Eastwood, Walton Goggins, Danny Glover / Sinopse: Após o fim da guerra civil americana um veterano volta finalmente para seu lar, mas acaba encontrando outra guerra nas portas de seu rancho, essa tão violenta como a que deixou para trás. Filme premiado no San Diego Film Festival na categoria de Melhor Direção (Lawrence Roeck).

Pablo Aluísio.

Vingança

O diretor Walter Hill tem uma filmografia muito boa, principalmente em relação a filmes de ação. Ele dirigiu, entre outros filmes, produções como "48 Horas", "Ruas de Fogo", "A Encruzilhada" (um bom filme sobre as origens do blues), "Inferno Vermelho" (com o astro Arnold Schwarzenegger, na sua maior bilheteria no cinema) e "O Último Matador" (bom filme de gangsters com Bruce Willis). Além disso foi roteirista de dois filmes da série Aliens ("Aliens, o Resgate" e "Alien³"). Então só por essa amostra podemos perceber que Hill não é um cineasta qualquer. Ele tem histórico de bons momentos no cinema. Esse aliás foi o motivo principal que me levou a assistir esse seu novo filme. Pena que tudo foi por água abaixo logo nas primeiras cenas.

Com uma produção muito fraca (que em alguns momentos deixa óbvia sua falta de um melhor orçamento) o filme naufraga muito rapidamente. O enredo é igualmente bizarro demais para ser levado à sério. Hill escreveu o esboço desse roteiro em 1978, aproveitou parte de sua ideia em "Um Rosto Sem Passado", mas só agora resolveu transformar em filme. Deveria ter ficado engavetado. É a história de uma cirurgiã plástica chamada Rachel Jane (Weaver). Quando seu irmão é morto pela máfia ela decide se vingar do assassino. O matador profissional Frank Kitchen, responsável pela morte de seu irmão, é sequestrado e depois levado para uma clínica clandestina. A médica vai se vingar de uma forma nada comum... ela vai mudar seu sexo na sala de cirurgia! Quem interpreta esse personagem de homem que vira mulher é a atriz Michelle Rodriguez. Quando ela está em sua "fase masculina" (acredite, ela interpreta um homem na primeira parte do filme!), usa uma barba postiça muito mal feita. Impossível conter o riso, já que a caracterização é péssima. Depois a trama capenga segue aos trancos e barrancos, sem nunca convencer. O resultado é uma lástima, de tão ruim. E pensar que tantos bons profissionais (tanto na direção como no elenco) entraram em um abacaxi como esse! Imperdoável...

Vingança (The Assignment, Estados Unidos, 2016) Direção: Walter Hill / Roteiro: Walter Hill, Denis Hamill / Elenco: Sigourney Weaver, Michelle Rodriguez, Tony Shalhoub, Anthony LaPaglia / Sinopse: Para vingar a morte do irmão uma cirurgiã plástica resolve mudar o sexo de seu assassino, destruindo sua vida pessoal. Agora com um corpo de mulher ela parte para sua vingança.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

sexta-feira, 15 de setembro de 2017

Death Note

A Netflix adaptou esse "Death Note" da obra criada pelo artista  japonês Tsugumi Ohba. É uma adaptação Made in USA, o que já não é uma boa notícia. Como o material original já tinha uma legião de fãs o esperado aconteceu: choveram críticas e mais críticas dos admiradores do anime. Mais do que isso, muitos ficaram enfurecidos com o que assistiram aqui. O pior para a Netflix é que todas as queixas foram mais do que justificáveis. Realmente essa versão de "Death Note" é bem ruinzinha. Não houve capricho ou cuidado com o material que lhe deu origem. A produção é fraca e o roteiro não ajuda muito. Para quem não conhece o enredo, a trama é até bem interessante. Tudo começa quando um livro obscuro vai parar nas mãos de um jovem estudante, Light Turner (Nat Wolff). Ele é um estudante brilhante, de ótimas notas, que nas horas vagas aproveita para ganhar algum dinheiro, fazendo o trabalho para os outros alunos.

O tal livro tem o poder de ceifar a vida de qualquer pessoa que tenha seu nome escrito em suas páginas. Assim ensina a criatura Ryuk (Willem Dafoe), uma espécie de demônio que começa a aparecer para Light, após ele pegar o livro para si. E então o estudante começa a escrever nomes de criminosos no livro, numa tentativa de limpar a sociedade desses marginais. O que porém começa com boas intenções logo foge do controle, criando um verdadeiro caos em sua vida. Sinceramente, é um caso típico de desperdício de boas ideias. O anime original inclusive sempre foi muito elogiado por público e crítica. Ao tentarem criar uma versão americana da história parece que tudo se perdeu, inclusive o clima e o charme dos personagens japoneses. O elenco também é todo fraco, com jovens sem muito talento. O único que se sobressai, mesmo debaixo de um roupa de monstro, é o veterano Willem Dafoe. Todo o resto sequer é digno de nota. Então é isso, uma versão desnecessária e mal realizada de um material que poderia render muito mais, caso fosse melhor trabalhado pelos produtores americanos.

Death Note (Estados Unidos, 2017) Direção: Adam Wingard / Roteiro: Charley Parlapanides, Vlas Parlapanides / Elenco: Nat Wolff, Willem Dafoe, Lakeith Stanfield, Margaret Qualley, Shea Whigham / Sinopse: Jovem colegial, Light Turner (Wolff) coloca as mãos em um livro obscuro, que tem o poder de acabar com a vida daqueles cujos nomes são escritos em suas páginas. Com ele em seu poder começa a fazer uma espécie de "justiça pelas próprias mãos", em prol da sociedade, mas tudo acaba dando muito errado.

Pablo Aluísio.

Na Teia de Aranha

Essa foi a segunda vez que o ator Morgan Freeman interpretou o especialista forense Alex Cross. O primeiro filme havia sido lançado três anos antes com o título nacional de "Beijos que Matam". Baseados nos romances policiais escritos por James Patterson, essas produções eram muito boas, com roteiros que prendiam o espectador da primeira à última cena. Algo cada vez mais raro de encontrar nos dias de hoje. Curiosamente o que prometia ser uma longa franquia para Freeman acabou se encerrando aqui nesse segundo filme, sem maiores explicações. Uma pena. Pois bem o enredo desse segundo filme era também tão interessante quanto o primeiro filme.

Arrasado depois de ter sua parceira assassinada por um serial Killer, Cross pensa em se aposentar, mas logo precisa voltar à ativa porque outro assassino em série começa a atuar na capital dos Estados Unidos. Ele rapta a filha de um senador e toda a força policial é colocada para encontrar seu paradeiro. Cross porém logo percebe, com sua vasta experiência, que o criminoso está na verdade tecendo uma complexa rede, tal como se fosse um jogo entre ele e os investigadores que estão à sua procura. Por essa razão ele passa a ser chamado de Spider, justamente por seu modo de agir. No final quem acaba ganhando é o espectador pois esse é um daqueles bons filmes sobre serial killers que não decepcionam. Além disso vamos combinar, esse tipos, a dos assassinos seriais, sempre rendem bons momentos no cinema.

Na Teia de Aranha (Along Came a Spider, Estados Unidos, 2001) Direção: Lee Tamahori / Roteiro: Lee Tamahori, baseado no livro escrito por James Patterson / Elenco: Morgan Freeman, Michael Wincott, Monica Potter / Sinopse: Talentoso investigador forense precisa voltar à ativa, na véspera de sua aposentadoria, para perseguir e encontrar um serial killer que sequestrou a filha de um importante senador dos Estados Unidos. Destaque para a trilha sonora composta por Jerry Goldsmith, que foi premiada pelo BMI Film & TV Awards.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

quinta-feira, 14 de setembro de 2017

It: A Coisa

A obra original escrita por Stephen King é considerada por muitos como o seu último grande livro. São mais de mil páginas, divididas basicamente em duas linhas narrativas, uma no passado e outra no presente, mostrando um grupo de amigos que desde a adolescência precisam lidar com uma estranha criatura maligna que se alimenta de medo e pavor. Já houve uma minissérie no começo dos anos 90 que foi adaptada do livro de King, mas como era de se esperar os recursos tecnológicos da época não conseguiram transpor a trama da literatura para a tela com muito êxito. Agora a New Line (produtora especializada em fitas de terror) trouxe para o cinema, finalmente depois de tantos anos, esse livro de Stephen King, ou pelo menos parte dele.

Isso porque nesse filme só temos uma linha narrativa, justamente a passada na adolescência dos personagens, quando eles são apenas garotos que estudam na escola local. A primeira cena, do desaparecimento de um menino que sai em busca de um pequeno barquinho de papel que cai em um bueiro, já é pode ser considerada um pequeno clássico moderno do terror. Aqui fizeram tudo com perfeição. Depois que esse garoto desaparece tudo começa a girar em torno do desaparecimento não apenas dele, mas de várias outras crianças. A cidadezinha do Maine onde tudo acontece (velho instrumento de narração dos livros de Stephen King) surge como um lugar bem bizarro e assustador. Logo as crianças começam a ter pesadelos com "It" (a coisa) que pode assumir as mais diversas formas, mas que parece ter especial apreço pela figura de um palhaço, o Pennywise.

E assim se desenvolve o filme. Muitas pessoas que assistiram a "It - A Coisa" chamaram a atenção para o fato dessa produção se parecer bastante com um filme dos anos 80. Ora, o livro foi publicado originalmente em 1986, então obviamente é sim um produto dos anos 80. Inclusive poderíamos até mesmo defini-lo como uma espécie de "Goonies encontra Pennywise" sem perder muita a essência da estória. No mais é importante dizer que apesar desse novo filme ser muito bom, ele ainda deixa bastante a desejar se formos compará-lo ao livro de King. Os roteiristas não apenas usaram somente uma parte do enredo como também cortaram bastante em relação aos próprios personagens, pois King os definiu com muito mais conteúdo em suas páginas. Era algo normal e previsível de acontecer. Seria impossível mesmo levar um livro de mil páginas para um longa metragem sem ter que cortar muita coisa. De qualquer maneira, mesmo com essas mudanças, não se engane, pois esse "It - A Coisa" é seguramente um dos melhores filmes de terror do ano.

It: A Coisa (It, Estados Unidos, 2017) Direção: Andy Muschietti / Roteiro: Chase Palmer, Cary Fukunaga, baseados no best seller escrito por Stephen King / Elenco: Bill Skarsgård, Jaeden Lieberher, Finn Wolfhard / Sinopse: Um grupo de garotos descobre que uma estranha criatura sobrenatural está aterrorizando sua cidade nos anos 80. Eles a chamam simplesmente de "It" (a coisa). Essa entidade que veio diretamente do inferno parece se alimentar do medo alheio, assumindo as mais diversas formas para espalhar o horror. Filme vencedor do Golden Trailer Awards na categoria de Melhor Trailer do ano - Filme de Terror.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Dr. T E as Mulheres

O diretor Robert Altman foi um cineasta talentoso, mas também teve sua cota de bobagens em sua filmografia. Afinal ninguém é perfeito nesse mundo. Antes de falecer em 2006 Altman deu essa derrapada ao dirigir esse fútil exercício sobre o nada absoluto chamado "Dr. T & the Women". O filme é bem fraco, com enredo girando em torno de um médico bonitão e metido a conquistador chamado Dr. T. O papel foi dado para Richard Gere que aqui não faz nada muito além do básico, exagerando com seus momentos de canastrice assumida. Ele precisa resolver uma série de problemas envolvendo ex-namoradas, esposas, clientes, filhas, conhecidas, ou seja, tentando superar todas as mulheres que giram em torno de sua vida.

Como Altman bem gostava de fazer, o roteiro é todo no estilo mosaico, com inúmeras estórias acontecendo ao mesmo tempo sem transparecer que elas estejam ligadas de alguma forma. Só no final todas as pontas e linhas se ligam, mostrando que no fundo era um só elo de ligação unindo todos os personagens. No fim de tudo quem salva a produção de afundar completamente é o seu elenco feminino. Fazendo jus ao título do filme as mulheres se destacam, desde as beldades mais jovenzinhas como Tara Reid, Kate Hudson e Liv Tyler, até as mais maduras como Helen Hunt e Farrah Fawcett. Essa última aliás, a famosa pantera loira da popular série de TV nos anos 70, teve um raro momento de destaque no cinema. Sempre achei a Farrah Fawcett bem injustiçada em Hollywood. Talvez por ser uma bela mulher, símbolo sexual, nunca a levaram à sério como atriz dramática. Uma pena. O Altman até tentou lhe dar uma chance aqui, mas como o filme como um todo é bem fraco seus esforços acabaram sendo em vão.

Dr. T E as Mulheres (Dr. T & the Women, Estados Unidos, 2000) Direção: Robert Altman / Roteiro: Anne Rapp / Elenco: Richard Gere, Helen Hunt, Farrah Fawcett, Laura Dern, Shelley Long, Tara Reid,  Kate Hudson, Liv Tyler / Sinopse: Bem sucedido na carreira profissional, o médico Dr. T (Gere) vive uma verdadeira bagunça na sua vida emocional e afetiva. Filme indicado ao Leão de Ouro do Festival de Veneza.

Pablo Aluísio.

quarta-feira, 13 de setembro de 2017

Café Society

Mais um filme dessa fase mais romântica e soft do diretor Woody Allen. Aqui ele usa como cenário a era de ouro do cinema americano para contar um enredo até muito simples, envolvendo um triângulo amoroso que acaba deixando marcas, mesmo com o passar do tempo. Tudo começa quando o jovem Bobby (Jesse Eisenberg) decide se mudar para Hollywood. Ele está desempregado e sem perspectivas. Quem sabe consiga algo com seu tio, que é um famoso e influente agente de atores (interpretado por, ora vejam só, o comediante Steve Carell). Pois bem, depois de tentar se esconder do próprio sobrinho o tio percebe que não tem mais como enrolar e acaba arranjando um emprego para o rapaz em seu próprio escritório. Lá também trabalha a secretária Vonnie (Kristen Stewart). Os dois possuem a mesma idade e saem para dar umas voltas pela cidade. Nem precisa dizer que Bobby fica caidinho por Vonnie, sem saber que ela na verdade tem um caso escondido com seu próprio tio!

Pronto, Allen usa essa velha fórmula de triângulo amoroso para desenvolver a estorinha de seu filme. Tudo é bem leve, com pontuais pitadas de bom humor, usando principalmente as origens judaicas do diretor para tirar um sorrisinho aqui e outro acolá. Nada demais, realmente. O filme inclusive é bem curtinho, o que não deixou de ser uma excelente opção do diretor. Afinal se tudo é tão despretensioso para que usar uma longa duração, além do necessário, para contar seu pequeno romance, não é mesmo? Entre idas e vindas o antes inocente Bobby vai entendendo melhor as artimanhas dos seus sentimentos, os pequenos remorsos e desilusões que vão ficando pelo caminho em sua vida. Ele se torna um bem sucedido homem de negócios, gerenciando um night club, se casa, forma uma família, mas quando, por mero acaso, revê sua antiga paixão (ela mesma, a secretária Vonnie) tudo parece desmoronar! O que parecia tão sólido e firme em seus sentimentos vem abaixo de forma avassaladora. Talvez esse seja a única mensagem mais consistente de Woody Allen no filme inteiro, a perenidade de certos sentimentos e paixões que perduram mesmo após anos e anos. Todo o resto é bem leve, como condiz a proposta maior do filme em si.

Café Society (Estados Unidos, 2016) Direção: Woody Allen / Roteiro: Woody Allen / Elenco: Jesse Eisenberg, Kristen Stewart, Steve Carell, Sheryl Lee / Sinopse: Jovem se muda para Los Angeles para tentar arranjar um emprego com seu tio, um rico e bem sucedido agente de atores e atrizes em Hollywood. Na nova cidade se apaixona pela secretária de seu tio, sem saber que eles cultivam um romance às escondidas de todos. Filme indicado ao Art Directors Guild, ao Casting Society of America e ao Golden Eagle Awards.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

terça-feira, 12 de setembro de 2017

My Cousin Rachel

Esse filme é um remake de um antigo clássico romântico lançado em 1952 e que tinha no elenco Olivia de Havilland e Richard Burton. A trama se passa na era vitoriana quando dois primos muito próximos são separados quando um deles é diagnosticado com tuberculose. Em busca de um lugar com clima mais ameno ele vai para uma região distante onde acaba conhecendo Rachel Ashley (Rachel Weisz), também sua prima de um outro ramo da família. Não demora muito e eles se casam, mas pelas cartas que envia ao seu primo as coisas não seguem muito bem. Em pouco tempo chega a notícia de sua morte. O primo sobrevivente,  Philip (Sam Claflin), se convence que ele foi morto pela esposa, que estaia de olho em seus bens, mas será que essa suspeita teria base na realidade? Uma vez que ele não tem provas sobre isso...

Eu gosto de chamar esse tipo de narrativa de "trama Dom Casmurro", isso porque assim como aconteceu no famoso livro de Machado de Assis nunca ficamos sabendo da culpabilidade ou não da personagem principal. A Rachel dessa história em muito se assemelha a personagem Capitu de Machado de Assis. Ao longo de toda a estória você nunca saberá com certeza se ela é uma boa moça (isso levando-se em conta seu modo de ser e personalidade que aparenta ter) ou se ela é na realidade uma viúva negra, uma mulher sem escrúpulos, disposta a matar seu próprio marido para ficar com sua herança! O filme tem uma bela fotografia e aquela ambientação que já bem conhecemos, tudo remetendo ao charme da era vitoriana, com seus belos figurinos e cenários. Com um desenvolvimento bem próprio, mais ao estilo europeu de fazer cinema, essa nova versão não decepciona, mas também não inova em quase nada. Um velho problema que parece se repetir em todos os tipos de remakes cinematográficos.

My Cousin Rachel (Inglaterra, Estados Unidos, 2017) Direção: Roger Michell / Roteiro: Roger Michell / Elenco: Rachel Weisz, Sam Claflin, Holliday Grainger / Sinopse: Baseado na novela romântica escrita por Daphne Du Maurier, esse filme conta a história da enigmática Rachel (Welsz), que tanto pode ser uma viúva em luto, como também uma assassina fria e inescrupulosa. O primo de seu falecido marido não consegue chegar a uma conclusão sobre isso. Pior, ele aos poucos começa a se apaixonar perdidamente por Rachel e seus encantos femininos. Filme premiado no Golden Trailer Awards.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

segunda-feira, 11 de setembro de 2017

Piratas do Caribe: A Vingança de Salazar

Esse é o quinto filme da franquia "Piratas do Caribe". Somando-se as bilheterias de todos os filmes anteriores o estúdio faturou quase quatro bilhões de dólares arrecadados nos cinemas! É um valor assombroso! Por isso a Disney parece não querer largar o osso. Curiosamente esse quinto filme acabou decepcionando comercialmente, mostrando que o público finalmente cansou das aventuras do capitão pirata Jack Sparrow. Com orçamento de 230 milhões de dólares (outra fortuna), o filme mal conseguiu até agora se pagar nas bilheterias de cinema. Provavelmente, depois desse pífio desempenho, a franquia finalmente chegue ao seu tão adiado final.

Realmente não há muito mais a se explorar. O roteiro desse novo filme, por exemplo, é apenas uma variação de todos os anteriores. Há obviamente o protagonista carismático, sempre envolvido em cenas absurdas, um capitão querendo vingança  e alguns personagens secundários que não fazem muita diferença no final. E claro, não poderíamos esquecer, muitos efeitos visuais, os mais bem realizados de Hollywood. Aqui temos tubarões zumbis (isso mesmo que você leu!) aliados a um navio fantasma (literalmente falando) com toda a tripulação morta voltando ao mundo dos vivos para uma acerto de contas definitivo com Sparrow.

Por falar nesses marinheiros mortos, a melhor coisa do filme é justamente o vilão, o capitão espanhol Salazar (Javier Bardem), No passado ele teve seu navio afundado por uma manobra de Jack Sparrow. Sua nau bateu nos recifes e todos morreram, inclusive ele. Envoltos numa maldição eterna eles conseguem voltar ao mundo dos vivos para se vingarem finalmente de Sparrow. Os efeitos digitais são muito bem feitos, como já escrevi, em especial o visual etéreo de Salazar, com seus cabelos sempre dando a impressão de que ele está afundando no fundo do mar (afinal ele morreu justamente assim). Fora isso esse quinto filme é mais do mesmo. Há o breve retorno de alguns personagens do primeiro filme e até uma aparição divertida de Paul McCartney como o tio de Sparrow,  Pena que são apenas aspectos menores que ajudam a passar o tempo.

Piratas do Caribe: A Vingança de Salazar (Pirates of the Caribbean: Dead Men Tell No Tales, Estados Unidos, 2017) Direção: Joachim Rønning, Espen Sandberg / Roteiro: Jeff Nathanson / Elenco: Johnny Depp, Geoffrey Rush, Javier Bardem, Geoffrey Rush, Orlando Bloom, Keira Knightley, Paul McCartney / Sinopse: O falecido capitão espanhol Salazar (Bardem) volta para o mundo dos vivos para se vingar do capitão pirata Jack Sparrow (Depp), a quem ele culpa por sua morte e de seus tripulantes. Filme indicado ao Teen Choice Awards.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

domingo, 10 de setembro de 2017

Sob Suspeita / Dominação

Sob Suspeita
Um rico advogado americano, Henry Hearst (Gene Hackman), e sua bela esposa Chantal Hearst (Monica Bellucci), acabam sendo acusados de um crime envolvendo a morte de uma criança, uma menina de 12 anos encontrada morta na ilha de San Juan, em Porto Rico. O casal estaria ali para participar de uma arrecadação de fundos para os desabrigados de um furacão que teria devastada a ilha do Caribe. Só que agora eles se encontram em uma situação extremamente delicada. Afinal teriam mesmo algo a ver com o crime? Ou tudo seria uma grande cilada armada por inimigos do advogado nos Estados Unidos? Morgan Freeman interpreta o policial Victor Benezet, que é o responsável pelas investigações do assassinato. Um bom filme, valorizado (isso fica claro pela simples leitura da ficha técnica da produção) pelo ótimo elenco. O trio central é realmente acima da média. Gene Hackman (hoje em dia, aposentado) é um dos destaques porque seu personagem fica sempre no fio da navalha, levando o espectador a ora acreditar em sua inocência, ora pender para o lado daqueles que o acusam do crime. Morgan Freeman dispensa maiores comentários, pois sempre foi ótimo e Monica Bellucci está belíssima no filme, naquele ano em seu auge de beleza. Assim fica a dica desse bom thriller policial, com uma trama bem bolada que só se desvenda na última cena. / Sob Suspeita (Under Suspicion, Estados Unidos, 2000) Direção: Stephen Hopkins / Roteiro: Claude Miller, baseado no livro de John Wainwright / Elenco: Morgan Freeman, Gene Hackman, Monica Bellucci, Thomas Jane.

Dominação
Assisti a esse terror e suspense há bastante tempo, mais precisamente ainda nos tempos das locadoras VHS. O título original "Lost Souls" é bem adequado. É a história de uma garota chamada Maya Larkin (Winona Ryder) que começa a desenvolver um comportamento estranho e fora dos padrões. Ela sempre foi uma pessoa religiosa, porém agora as coisas parecem fugir do controle. O Padre Lareaux (John Hurt) logo percebe o que está acontecendo: ela está sob possessão de um demônio, um espírito imundo vindo diretamente das profundezas do inferno. Pior do que isso, tudo pode ser apenas uma grande preparação para a chegada da besta, o anticristo 666. Bom, filmes sobre possessões do diabo ou se tornam clássicos (como "O Exorcista") ou então caem no ridículo. Dificilmente ficam apenas no meio termo. Esse "Dominação" acabou ali entre o previsível e o ruim. No fundo acabou se tornando um filme simplesmente esquecível (afinal quem ainda se lembra dele?). De bom mesmo temos apenas a boa interpretação do ator John Hurt, que sempre foi aquele tipo de interprete que sempre fazia valer a pena qualquer filme em que estivesse no elenco. Já Winona Ryder se limita a fazer caretas de pavor! Se o tema lhe interessa, arrisque, porém saiba de antemão que o filme não é realmente grande coisa! / Dominação (Lost Souls, Estados Unidos, 2000) Direção: Janusz Kaminski / Roteiro: Pierce Gardner, Betsy Stahl / Elenco: Winona Ryder, John Hurt, Ben Chaplin, Sarah Wynter.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

sábado, 9 de setembro de 2017

The Beatles - Revolver - Parte 5

É a tal coisa, se tivesse que escolher o melhor rock do álbum "Revolver" certamente apontaria para a canção "Doctor Robert". Essa canção, como diria John Lennon anos depois, tinha realmente um grande pulso, uma grande pegada! A letra foi composta por John durante a excursão americana dos Beatles. A letra era meio enigmática, porém a ligação com as drogas que os Beatles estavam consumindo na época era bastante óbvia!

E afinal quem era o tal Doutor Robert citado na letra? John costumava dizer que era ele mesmo, assim apelidado pelos demais Beatles por estar sempre com todas as pílulas na mão! Se algum membro da banda quisesse tomar alguma droga, já sabia, deveria procurar por Doutor Robert, ou seja, Lennon, que guardava as drogas com ele. Ele costumava andar com uma pequena maletinha onde guardava as substância químicas ilegais. Outros porém dizem que Lennon quis preservar a identidade do verdadeiro Dr. Robert, que seria na verdade o médico Robert Freymann, que vendia prescrições médicas falsas para os figurões do mundo da música em Londres. Era uma espécie de traficante travestido de médico!

"Good Day Sunshine" era outra boa composição de John Lennon. Aliás se formos analisar bem veremos que o último álbum de grande colaboração de John na seleção musical havia sido mesmo o "Revolver". Depois dele o próprio John admitia que havia entrado numa fase de pasmaceira criativa, onde ele geralmente chegava sem canções finalizadas dentro do estúdio, precisando da ajuda dos demais Beatles para completar aquelas ideias inacabadas, muitas vezes sendo apenas trechos e esboços de músicas, tudo sem arte final. A letra, composta ao piano, parecia em uma primeira audição bem bobinha. John porém queria criticar exatamente a chatice da vida das pessoas, todas embaladas por sonhos de consumo medíocres, como se fossem grande coisa.

E a última grande criação de John Lennon para "Revolver" foi "I'm Only Sleeping". Durante anos se especulou que John novamente fazia referências ao uso de drogas na letra dessa canção. Ele porém rechaçou essa interpretação. John dizia que era a pessoa mais preguiçosa do mundo, que amava ficar em sua cama durante o dia inteiro, sem fazer nada. A letra era assim a mais direta possível, uma declaração de um preguiçoso sobre a arte de não fazer absolutamente nada, de ficar apenas dormindo o dia inteiro. Aliás o próprio John admitira esse aspecto de sua personalidade várias vezes ao longo da vida em entrevistas. Certa vez ele declarou: "Os Beatles só voltavam a se reunir em estúdio por insistência de Paul. Ele me ligava e dizia que tínhamos que gravar um novo disco, ao qual eu respondia que não queria, que estava com preguiça. Então Paul ficava ligando por uma ou duas semanas, insistindo, até eu finalmente sair da cama para trabalhar!"

Pablo Aluísio.

sexta-feira, 8 de setembro de 2017

A Lenda do Pianista do Mar

Título no Brasil: A Lenda do Pianista do Mar
Título Original: La leggenda del pianista sull'oceano
Ano de Produção: 1998
País: Itália
Estúdio: Medusa Film, Sciarlò Company
Direção: Giuseppe Tornatore
Roteiro: Alessandro Baricco, Giuseppe Tornatore
Elenco: Tim Roth, Pruitt Taylor Vince, Bill Nunn

Sinopse:
No começo do século XX, nasce a bordo de um navio um menino que é batizado com o nome de Danny Boodmann (Tim Roth). Os anos passam e ele aprende a tocar piano. Se torna um grande músico. Só que ele nunca deixa o navio onde nasceu.

Comentários:
O cinema italiano tem uma longa tradição em filmes emocionais, nostálgicos e líricos. O cineasta Giuseppe Tornatore (de "Cinema Paradiso", "Malena" e "Lembranças de um Amor Eterno") sempre teve grande talento para dirigir filmes nessa linha. Aqui ele assina uma de suas obras mais ternas, mais sensíveis. Tudo parece seguir como se fosse uma grande fábula. Isso é uma característica da obra original, uma peça teatral em forma de monólogo, onde um ator no palco contava a estória do tal pianista do mar. E em um filme onde a música é tão importante, o espectador ainda é presenteado com uma linda trilha sonora assinada pelo grande mestre da música no cinema Ennio Morricone, que inclusive foi premiado merecidamente com o Globo de Ouro por esse trabalho. Mais do que justo, merecido! Em termos de premiação aliás o filme foi muito bem, inclusive vencendo em várias categorias importantes do David di Donatello Awards, uma das premiações mais importantes do cinema italiano. Belo e poético, esse "A Lenda do Pianista do Mar" é uma excelente pedida para aquele tipo de público mais sensível, que gosta de cinema de arte produzido na Europa.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

quinta-feira, 7 de setembro de 2017

7 de Setembro de 1822 - Independência do Brasil

Em 7 de setembro de 1822, D. Pedro I deu o famoso grito de independência do Brasil, "Independência ou Morte!". E de lá para cá tivemos uma longa história, de muitos altos e baixos. Hoje o Brasil passa por um momento importante, de luz na podridão da escuridão da corrupção que vem assolando nossa nação há tempos. É um momento muito peculiar. Obviamente que sempre existiu corrupção e roubo no Brasil, principalmente de sua classe política. Porém o povo não tinha realmente noção do tamanho da roubalheira. É de fato uma coisa impressionante. O bom de tudo isso é que do choque está nascendo uma nova mentalidade em nosso povo. Não mais acreditar em partidos de esquerda imundos, que apenas usaram de uma velha ideologia para literalmente roubar os cofres públicos da nação.

No fundo tudo se resume em mudar a própria mentalidade. O patriotismo, que sempre foi muito valorizado em outras nações, deve ser resgatado em nosso país. Não o usando de uma maneira boba e ufanista, mas sim como amor à terra onde nascemos. O Brasil deve ser valorizado pelo seu povo, para superar esse complexo de inferioridade que atinge grande parte da população. Claro que diante de tantas decepções com a classe política, dentro de uma democracia que até agora gerou muitos frutos podres, a sensação geral que se abate é de desânimo. Mas isso não deve ser encarado dessa maneira. Pelo contrário. Devemos aprender com os erros do passado para erguer a cabeça, valorizar e pensar melhor naqueles que iremos dar nossos votos nas próximas eleições e partir para um futuro melhor.

E assim voltamos a 1822. D. Pedro I não era um exemplo de herói virtuoso. Pelo contrário, ele tinha inúmeros defeitos. Falhou muitas vezes como pai, como marido e como político. Porém a importância de seu ato, de libertar o Brasil dos desmandos das cortes portuguesas, tem uma importância histórica inegável. Graças a D. Pedro I o Brasil não apenas alcançou sua independência, como também manteve-se unido, em um grande território unificado, com a mesma língua e as mesmas raízes culturais. A definição de nação é justamente essa. Dessa forma é fato histórico que D. Pedro I foi de fato o fundador da nação brasileira tal como a conhecemos.

Basta olharmos para nossas nação vizinhas - do antigo domínio espanhol - para entendermos bem isso. São vários países diferentes, não unificados, dispersos no mapa. Obviamente que hoje no Brasil temos inúmeras correntes políticas de pensamentos diferentes. Há os que pedem intervenção militar, os que querem a volta da monarquia, os republicanos arrependidos. Não quero criticar nenhuma forma de pensamento. Afinal vivemos numa democracia. Uma democracia machucada, explorada, expropriada. Porém como afirmou Churchill não existe opção melhor, mesmo que imperfeita. O momento assim é de reavaliação de nosso país. Que os corruptos paguem por seus crimes, que sejam presos, sem ares de seitas malucas (como acontece no caso do petismo). Olhar para a frente e partir para um futuro melhor. Afinal ser brasileiro é algo único. Não é fácil, mas a força do povo voltará a salvar nosso querido país.

Pablo Aluísio.